Região

[Região][slideshow]

Municípios começam a estruturar plano de criação de rota turística regional

 


 

Texto e imagens: Rodrigo Knack / Jornalista
Aqui Comunica / Revista Livre / Jornal Aqui / Turismo Livre




A primeira reunião do Grupo de Trabalho para o desenvolvimento de uma rota turística integrada entre as cidades de Navegantes, Penha, Balneário Piçarras e Barra Velha definiu as ações iniciais.


A reunião virtual, na tarde de 9 de abril, contou com os secretários de turismo de Navegantes, Norberto Mette, de Penha, Cleber Neumann e de Balneário Piçarras, Lávio Dalfovo. Cristiano Zonta representou o Diretor da Fundação de Turismo, Esporte e Cultura de Barra Velha, Ricardo Pierre da Costa.


Participaram também o presidente do Núcleo de Turismo da Acipen (Ahorepe), André Locatelli, o vice-presidente do Núcleo de Pousadas e Hotéis de Penha (Nuphope), Antônio Nascimento e o assessor parlamentar do Deputado Estadual Ivan Naatz, Luiz Américo Pereira.


O objetivo do grupo é definir as estratégias para fomentar e trabalhar o turismo integrado nos municípios da região, de forma a explorar os potenciais e fortalecer os municípios nos cenários regional, estadual e nacional, através de uma rota turística. As ações serão desenvolvidas ao longo dos próximos encontros.



Foco e ações práticas


Dentro das realidades de cada município, os representantes apontaram os potenciais e os desafios a serem superados para que esta integração seja efetiva. Mais do que ficar apenas na discussão, a unanimidade é a colocação em prática das propostas, mas, para isso, é necessária uma atuação conjunta.


De acordo com Norberto Mette, secretário de turismo de Navegantes, é preciso ter foco claro para realizar as ações. Citou como exemplos ações desenvolvidas enquanto presidente do Parque Vila Germânica e secretário de turismo de Blumenau, além do período em que esteve na presidência da Santur.


Para Norberto, Navegantes tem muitos potenciais turísticos, mas que precisam ser estruturados para que virem atrativos. Entre eles, citou o turismo náutico, potencial que também foi destacado pelos secretários de turismo dos outros municípios. Cristiano Zonta destacou que esse segmento tem muito a crescer em Barra Velha, em especial na região da lagoa, mas que isso passa por adequações como o desassoreamento para que se torne realidade.


Trabalho integrado: público e privado


Tanto Zonta quanto Cleber, secretário de turismo de Penha, concordam que este momento em que a pandemia afetou intensamente o turismo é a época para planejar e preparar as cidades para receber os turistas. Um consenso é buscar parcerias com o principal atrativo, o Beto Carrero World, pois o parque movimenta a atividade turística em todas as cidades da região. 


Além disso, é preciso também que os próprios moradores das cidades conheçam os atrativos, de acordo com André Locatelli, presidente da Ahorepe. Mais do que desenvolver a rota integrada, é preciso que as pessoas saibam disso.


A proposta é levar para a Santur, através da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa, o projeto para a promoção da rota integrada, seja em nível estadual quanto nos principais mercados emissores de turistas. Antônio Nascimento, da Nuphope, destacou que também é preciso apresentar essa rota integrada às operadoras turísticas, que vendem os pacotes. Para ele, a partir desse conhecimento, é bem maior a chance de as operadoras oferecerem a rota aos clientes.


Para tanto, os passos seguintes são cada um dos municípios mapearem os seus potenciais e fazer o levantamento das adequações de estrutura necessárias para que essa rota possa avançar. Esse levantamento será levado a Comissão de Turismo da Alesc, presidida pelo Deputado Estadual Ivan Naatz.


Porém, não dá para esperar tudo do poder público, de acordo com Norberto Mette. O secretário de turismo de Navegantes, pela intensa experiência, destacou que os municípios hoje referência no turismo, só desenvolveram a partir da visão e planejamento dos agentes públicos mas, principalmente, com a participação e investimentos da iniciativa privada. Para Norberto, é preciso ter consciência de que o turismo é uma atividade econômica e, por isso, deve haver incentivos para os investimentos.


Incentivos estes que podem surgir, de acordo com Luiz Américo, a partir do Projeto de Lei nº 0331.6/2020, em tramitação nas comissões da Alesc. Este projeto prevê a regulamentação dos municípios de interesse turístico. Caso vire lei, a proposta pode fazer com que os municípios possam receber benefícios como recursos do Ministério do Turismo e outros incentivos para aplicação em obras de infraestrutura turística e atração de investimentos privados, tudo de acordo com os potenciais próprios de cada cidade.